Polícias Civil e Científica ganham reforço de 1.214 servidores antes do carnaval

Mais de 1.200 servidores comporão o efetivo das polícias Científica e Civil de Pernambuco (Foto: Pedro Alves/G1)

Tentando diminuir os índices de violência do estado, 1.214 novos servidores das polícias Civil e Científica começam a atuar no efetivo da segurança pública na sexta-feira (9), dia da abertura oficial do carnaval do Recife. Nesta segunda-feira (5), foi realizada a formatura, que precede a posse formal dos novos profissionais.

Em 2017, Pernambuco atingiu o pior índice de violência em 14 anos, com 5.427 pessoas assassinadas durante os doze meses do ano. A formatura ocorreu no Teatro Guararapes, no Centro de Convenções, em Olinda.

Os servidores foram nomeados no Diário Oficial de Pernambuco no dia 27 de janeiro. São 139 delegados, 597 agentes, 86 escrivães, além de 392 servidores da Polícia Científica, entre 36 novos médicos legistas, 64 auxiliares de legista, 123 auxiliares de perito, 44 peritos papiloscopistas e 125 peritos criminais.

Os novos policiais estavam em preparação na Academia de Polícia e, logo após a formatura e exame médico, tomam posse na Secretaria de Administração do Estado (SAD).

Segundo o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, todas as delegacias de Pernambuco passam a ter um delegado, seis agentes e um escrivão, com principal foco no interior de Pernambuco.

“Vamos atingir a meta de ter todas as delegacias de Pernambuco com delegados. Muitas vezes, os servidores acumulavam até quatro delegacias, e agora isso se encerra. Vamos ter condições de investigar mais e dar mais celeridade nas respostas e instalar novas unidades”, disse o governador.

A Zona da Mata e Agreste do estado recebem a maior parte novo efetivo, cerca de 46% dos policiais civis formados. Vinte e três por cento serão lotados no Sertão de Pernambuco, enquanto 10% irão trabalhar no Grande Recife. Os 21% restantes farão parte do efetivo das Unidades Especializadas, como o Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP).

Primeira colocada para o cargo de médico legista, a cirurgiã plástica Nadyeshka Sales, de 35 anos, foi selecionada para integrar a equipe do Instituto de Medicina Legal (IML) do Recife. “Foi muito esforço nos últimos quatro meses, mas tivemos muito apoio de toda academia. Nosso objetivo e papel, agora, é tentar melhorar a segurança pública em Pernambuco”, disse Nadyeshka.

Sobre a interiorização da polícia científica, a gerente da corporação, Sandra Santos, explicou a necessidade de expansão da rede.

“Teremos sede de política científica em todas as regiões de Pernambuco, em termos de medicina legal, perícia criminal e identificação de cidadania. Sempre repito nosso lema, que é a ciência a favor da Justiça”, disse a gerente