Pernambuco: mais de 6 mil postos formais de trabalho são extintos em 2017

Pernambuco fechou 6.612 postos de trabalho entre janeiro e dezembro de 2017, resultado da diferença entre as admissões e demissões no estado ao longo do ano. Entre os setores que lideram as demissões, estão a construção civil, com a extinção de 3.626 postos formais de trabalho, e o setor de serviços, que contabilizou 3.642 demissões. Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) foram divulgados nesta sexta (26) pelo Ministério do Trabalho.

Recife lidera a lista de cidades pernambucanas com maior número de postos de trabalho extintos, somando 5.464 demissões a mais do que as admissões no ano passado. Em 2016, no entanto, a capital pernambucana fechou mais de 26 mil postos de trabalho, o maior número entre as capitais do Nordeste. Voltando a 2017, Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, vem em segundo lugar, com 1.391 postos de trabalho fechados no ano.

Apesar dos resultados negativos, o ano de 2017 apresentou melhora em relação a 2016, já que o saldo negativo diminuiu de 48.486 para 6.612. Em 2015, o resultado foi ainda mais expressivo, já que foram extintas 89.561 vagas com carteira assinada.

Ao longo de 2017, alguns setores também registraram variação positiva, como é o caso da agropecuária, com 1.222 vagas criadas. Mesmo com variação pouco expressiva, o setor do comércio fechou 2017 com a criação de 82 vagas no estado.

Ainda assim, as 29 unidades da Agência do Trabalho em Pernambuco fecharam o ano de 2017 com um aumento de 3,28% no número de atendimentos. Em 2016, foram atendidas 737.232 pessoas, mas, em 2017, o número de pessoas em busca de emprego que passaram pelas agências subiu para 761.437.

Variação negativa em dezembro
O saldo de empregos no mês de dezembro em Pernambuco foi o melhor dos últimos quatro anos, mas, ainda assim, manteve o patamar negativo. O resultado reflete o excedente de demissões em comparação ao número de contratações. A variação mensal, inclusive, supera a anual, com 8.314 postos de trabalho a menos.
O saldo negativo de dezembro foi impulsionado por setores como o de serviços, com 2.945 vagas formais fechadas; a indústria de transformação, que registrou 2.354 demissões; e o setor de agropecuária, com 1.973 postos de trabalho extintos.

Empreendedorismo e emprego formal lado a lado
Para a secretária executiva de Planejamento, Monitoramento e Captação de Recursos da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Trabalho e Qualificação de Pernambuco, Fernanda Dubeux, a melhora no setor formal de empregos não impede a busca por cursos na área de empreendedorismo.

“Fica cada vez mais tênue a linha entre o emprego formal e o empreendedorismo. Os profissionais normalmente precisam adotar nas empresas um comportamento ativo, com desenvoltura, o que não é muito diferente do perfil do empreendedor”, ressalta.

De acordo com a gestora, os cursos de qualificação ofertados pela pasta contemplam as duas áreas do mercado. “Procuramos oferecer as oportunidades identificando as necessidades da área em que o público está e direcionando os participantes de acordo com o perfil de trabalho de cada um”, explica Dubeux, mencionando, ainda, que os cursos são oferecidos em todo o estado.

Deixe seu comentário