Mauro Donato: Michel Temer fez permuta no jantar com a cúpula da Globo

temer-e-marinho-roberio-sa Mauro Donato: Michel Temer fez permuta no jantar com a cúpula da Globo
Michel Temer tem encontro com João Roberto Marinho. Foto: Reprodução.

Por Mauro Donato 

No começo de outubro, o presidente Michel Temer reuniu-se com os irmãos Marinho, donos da Globo, num jantar ‘reservado’, algo camuflado na agenda oficial.

Pegos no pulo, tanto Michel Temer quanto os Marinhos soltaram notas esclarecendo que o encontro tinha sido apenas para pedir apoio para a reforma da Previdência e que a conversa se deu de maneira “absolutamente republicana, sem pedidos ou promessas de qualquer das partes”.

Segundo a Folha, o convescote ocorreu na casa de Roberto Irineu Marinho e contou com seu irmão João Roberto Marinho, além do vice-presidente de Relações Institucionais da Globo, Paulo Tonet.

Temer se queixou sobre a cobertura de seu governo pelos jornais, rádios e canais de TV do grupo. Reclamou que o Globo foi o veículo que divulgou a conversa entre ele e o empresário Joesley Batista. Falou de um editorial que pedia sua renúncia.

E de um outro que praticamente sentenciava Michel Miguel como culpado na compra de silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. Provavelmente o presidente golpista deve ter reclamado ainda da próstata, de dor no ciático, etc.

Por que os Marinhos teriam marcado um jantar se só Temer fez pedidos, é algo a se debruçar. O que mais se sabe do encontro é que, depois de tanto chororô, o presidente soltou um ‘veja bem’.

Como se insatisfeito com a receptividade oferecida pelo alto comando ali sentado diante de seus apelos, Michel Miguel começou um discurso acerca das ‘injustiças’ contra ele.

Afirmou que delações não podiam ser tomadas a sério daquela forma, que o conteúdo delas nem sempre é conclusivo, que muitos o fazem para se livrar das penas, que não comprou o silêncio de Eduardo Cunha, que isso, que aquilo. E então veio o ‘veja bem’.

Michel Miguel mencionou o caso Fifa, as denúncias envolvendo a Globo, a delação de J. Hawilla, da agência Traffic. O presidente enviou um claríssimo ‘vocês sabem do que estou falando’ para os irmãos Marinho. Chantagem? Uma espetada? Ou só o roto falando do remendado?

Dinheiro.

Coincidentemente, a partir dali a Globo passou a pegar leve com ele. Os telejornais noticiam diariamente uma retomada da economia e o aumento do índice de empregos. Nos intervalos, propaganda oficial.

Sumiram dos destaques e manchetes os R$ 500 mil que rolavam na mala de Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor especial e um de seus homens de confiança, sumiu Geddel Vieira Lima, parou-se de perguntar de quem afinal são os R$ 51 milhões que estavam no bunker em Salvador.

Não existe almoço – nem jantar – grátis. O que aconteceu naquela noite de 4 de outubro foi um acerto informal de propaganda gratuita do seu governo, além de uma demonstração clara, claríssima, de que a velha mídia não sobrevive sem a promíscua relação com os cofres públicos.

A Globo colocou Temer lá e quis mostrar que poderia também catapultá-lo, como fez com Collor e Dilma. Perdeu a briga e ainda teve que pagar o prato de comida e ser condescendente com alguém que possui 3% de aprovação.

Pela suavidade do tratamento recente do clã Marinho que o governo tem recebido, é de se supor que na hipótese de um novo encontro, o presidente irá agradecer com um “Tem que manter isso aí, viu?” (Portal DCM)

Deixe seu comentário