Filme sobre impeachment abre programação da Mostra Pajeú 2018, em Afogados da Ingazeira

O Processo dá início à programação em Afogados da Ingazeira

Após atividades em Iguaracy e Ingazeira, a 4ª Mostra Pajeú de Cinema dá início neste domingo (20) à mostra de longas e curtas em Afogados da Ingazeira. De acesso gratuito, a programação será exibida no Cine S. José (Rua Newton César, s/n – Centro), sempre às 19h30 e 20h30.

Abre a mostra de longas o documentário O Processo, que promove um tour de force pelo Congresso Nacional em pleno processo de votação pelo impeachment de Dilma Rousseff. Dirigido por Maria Augusta Ramos, o filme estreou em sessões lotadas no último Festival de Berlim e tem sido premiados em vários festivais, entre eles o Visions du Réel (Suíça), um dos mais importantes do mundo. Antes, às 19h30, será exibido o curta Cine S. José, em sessão especial seguida de masterclass sobre cinemas de rua com o professor João Luiz Vieira (UFF-RJ). O curta refaz a trajetória do grupo de voluntários que nos anos 1990 reergueu o cinema que hoje é um dos símbolos da cidade.

Mostra de longas – Dirigido pelo fotógrafo Gilvan Barreto, Prelúdio da fúria apresenta o trabalho de artistas com obras marcadas pela inflexão política, enquanto Em nome da América investiga a presença americana no nordeste durante os eventos que precederam o golpe militar de 1964; inédito, Parquelândia olha para as condições de trabalho em parques de diversão em localidades do sertão. Completam a seleção a ficção paraibana Rebento (com Zezita Matos e Fernando Teixeira, recém-lançada em janeiro, no Festival de Tiradentes) e Arábia (MG), um dos mais premiados e esperados filmes da temporada. Os diretores André Morais (Rebento), Fernando Weller (Em nome da América) e Cecília da Fonte (Parquelândia) estarão presentes para debater os filmes após a sessão, enquanto Prelúdio da fúria será debatido pelos professores Aécio Amaral (UFPB) e José Rogério Oliveira (FASP).

Curtas – “A seleção de curtas forma um panorama da recente produção nacional, trazendo para o sertão filmes de diferentes estilos, técnicas e gêneros, alguns inéditos ou pouco vistos e de praticamente todas as regiões do país”, diz André Dib, curador da MPC. “Outros circularam nos principais festivais do Brasil e do mundo, como o pernambucano Terremoto Santo e o mineiro A retirada para um coração bruto, exibidos no último Festival de Berlim, além de Fantasia de índio, parcialmente rodado no sertão e recentemente exibido no Festival de Tiradentes”.

Outro destaque do programa de curtas é Nome de batismo – Alice. Premiado como melhor curta brasileiro no festival É Tudo Verdade, o filme estabelece uma rota afetivo-cultural percorrida pela diretora, cuja família angolana encontrou refúgio no Brasil quarenta anos atrás. O curta de Tila Chitunda integra o já tradicional Programa “Pais e Filhos”, dedicado ao cinema de viés geracional.

Na sexta (25), o programa “Universo Paralelo” apresenta filmes que dialogam diretamente com o cenário do rock independente, formado pelo clipe Eu o declaro meu inimigo, em que a música da banda Devotos adquire incrível visualidade em movimento a partir da colaboração de dezenas de profissionais da animação de todo o Brasil; o curta A retirada para um coração bruto, insólita declaração de liberdade criativa vinda do interior de Minas Gerais; e do longa PEsado, esforço inédito de contar a história do gênero metal em Pernambuco.

Sessões especiais – Além das tradicionais matinês no Cine S. José, uma novidade é o programa acessível, voltado ao público portador de necessidades especiais (cegos e surdos ou ensurdecidos), que poderá assistir curtas-metragens com recursos de Libras, audiodescrição e LSE. Este ano serão exibidos os filmes do projeto Toda Palavra, coordenado por Tarsila Tavares.

Cinemas de rua – A MPC tem o privilégio de ser abrigado pelo histórico Cine S. José, assumindo desde o início compromisso primordial com o movimento de preservação dos cinemas de rua, este ano traduzido na presença do professor João Luiz Vieira, um dos maiores especialistas no assunto. Professor titular do Departamento de Cinema da Universidade Federal Fluminense e coordenador do Programa de Pós-Graduação em Cinema e Audiovisual da UFF, João Vieira se encontrou na última quinta (17) com pesquisadores do sertão do Pajeú e no domingo (20) oferecerá uma masterclass gratuita.

Mesas e oficina – Na MPC filmes e atividades de formação têm o mesmo nível de importância. Por isso os filmes são exibidos em caráter não competitivo, privilegiando o debate. Ao longo da programação, três mesas temáticas convidam o público a refletir sobre cinema e debater os filmes. De terça a quinta, profissionais reconhecidos local e nacionalmente participarão de mesas temáticas com o objetivo de promover troca de conhecimentos e circular assuntos em pauta do meio cinematográfico. No sábado (26), às 9h, o realizador Felipe Peres Calheiros (EPC/TVPE) oferece um seminário sobre produção e difusão de cinema do interior. Todas as atividades serão no Auditório da Secretaria Municipal de Educação de Afogados da Ingazeira, com acesso gratuito. Durante a semana crítica a MPC convidou o crítico de cinema Heitor Augusto (SP) para coordenar a oficina de produção de textos. Detalhes e outras informações no site www.mostrapajeudecinema.com.br.

Sobre a MPC – A 4ª edição da Mostra Pajeú de Cinema é organizada pela Pajeú Filmes, com incentivo do Funcultura / Fundarpe, Secretaria de Cultura do Governo do Estado de Pernambuco e conta com apoio da Rádio Pajeú AM, Gerência Regional de Educação – Sertão do Alto Pajeú, Secretaria de Educação de Afogados da Ingazeira, Secretaria de Turismo, Cultura e Esportes de Afogados da Ingazeira, Secretaria de Educação de Iguaracy, Secretaria de Cultura, Esportes e Turismo de Iguaracy, Secretaria de Educação de Ingazeira e Secretaria de Cultura de Ingazeira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here