Em clima tenso, Paulo Câmara, Fernando Bezerra e Raul Henry se reencontram

Após a solenidade, aliados de Paulo Câmara fizeram críticas a Bezerra Coelho. Foto: Deyvison Nunes/JC

Um breve e frio cumprimento com aperto de mão. Assim foi o primeiro encontro entre o governador Paulo Câmara (PSB) e o senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB) após o evento “Pernambuco Quer Mudar” em que um novo bloco de oposição, do qual o senador integra, foi lançado, em dezembro do ano passado. O encontro ocorreu em uma sala reservada para autoridades no 9º andar do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PE), antes da posse do novo presidente do órgão, Marcos Loreto, na manhã de ontem. “Oi, tudo bem?”. Essas foram as únicas palavras trocadas por Paulo e Fernando longe da imprensa, mas registrado pelos presentes. O encontro ocorreu após dias de envios de notas com críticas a ambos os lados. O senador também cumprimentou o prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB).

Na mesa da solenidade, Paulo e Fernando sentaram-se a três cadeiras de distância e evitaram olhares. Apenas uma cadeira – ocupada pelo presidente do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), Leopoldo Raposo – separava Fernando de Raul Henry (PMDB), presidente estadual do PMDB e que trava uma disputa judicial pelo comando do partido com o senador.

Henry disse que não se sentiu incomodado de ficar próximo a FBC no evento. “Não causa incômodo, procuro viver minha vida e farei isso com absoluta determinação”, disse o vice-governador, acrescentando que não cumprimentou o senador nos bastidores. “Não vejo nenhum ambiente”.

Após a solenidade, aliados de Paulo Câmara fizeram críticas a Bezerra Coelho. O governador saiu sem falar com a imprensa. Na solenidade, Fernando Bezerra Coelho disse que conversaria com o JC apenas por telefone, no período da tarde. Até o fechamento desta edição, contudo, o senador não atendeu as ligações da reportagem.

Na posse do novo presidente do TCE, Fernando estava em um ambiente de maioria socialista. Marcos Loreto foi auxiliar do ex-governador Eduardo Campos e foi nomeado conselheiro do TCE em 2007, ainda no primeiro ano de governo do socialista. Boa parte dos convidados ontem, na sua posse, era formada por aliados do PSB. No seu discurso, Loreto lembrou da sua militância política na década de 1980 contra o regime militar e o ingresso no governo do Estado através da equipe de oficiais de gabinete de Miguel Arraes. Também citou sua atuação ao lado de Eduardo, quando integrou a equipe ministerial e parlamentar do socialista, além da Chefia de Gabinete no primeiro ano de governo.

Fernando Bezerra Coelho não acompanhou a plateia com aplausos quando Loreto citou Paulo Câmara e Geraldo Julio em sua fala. “Temos aqui (no TCE-PE) um corpo técnico de elite para isso (fiscalização de gestões) que honra Pernambuco. Destaco o prefeito do Recife, Geraldo Julio, e o governador do Estado, Paulo Câmara, ambos servidores concursados. Os senhores são orgulho para essa casa”, afirmou.

Posse
Marcos Loreto assumiu, ontem, a presidência do TCE-PE pela segunda vez. Ele fica no cargo até janeiro de 2020. “A nossa prioridade desde o início vem sendo colocar o Tribunal de Contas como protagonista nesse combate à corrupção e é esse o nosso propósito e com certeza vamos conseguir. Para isso nós vamos colocar mais auditores in loco visitando os municípios e com isso inibir e coibir as pessoas que porventura estejam pensando em fazer o mal feito”, disse. (JC)