Ambulantes ganham novo prazo para desocuparem calçadas de Serra Talhada

reuniao-ambulantes Ambulantes ganham novo prazo para desocuparem calçadas de Serra Talhada
Reunião entre ambulantes e secretários do Governo de Luciano Duque termina com consenso. Foto: Divulgação.

Do Blog de Júnior Campos – Membros do legislativo e do primeiro escalão do governo Duque (PT) estiveram reunidos na tarde desta quarta-feira (29), com cerca de 10 (dez), vendedores ambulantes que praticavam o comércio informal nas calçadas do centro comercial de Serra Talhada.

O encontro veio logo após, o grupo, ocupar prédio da Prefeitura Municipal na tentativa de um entendimento com o governo, que, através da pasta de Desenvolvimento Econômico, assinada por Marcos Oliveira resolveu impedir a comercialização de produtos diversos em via pública.

O  vice-prefeito Márcio Oliveira (PSD), que esteve mediando às negociações com os ambulantes disse que foi dado um prazo até 05 de janeiro para que, os praticantes de comércio informal deixem as calçadas de Serra Talhada.

“Fizemos uma reunião hoje com legislativo, ambulantes, e executivo. Foi dado um prazo até dia 05 de janeiro. Ele nos informaram que são cerca de 30/40 ambulantes que seriam afetados pelas modificações. Vamos cadastrar estes 30/40 e viabilizar um local adequado para eles”, garantiu Márcio.

Já o secretário de governo, Faeca Melo, ressaltou a preocupação do prefeito Luciano Duque (PT), de buscar um entendimento entre governo e ambulantes.

“O prefeito Luciano Duque, já tinha pedido pra gente chegar um consenso para que os ambulantes não sejam prejudicados e nem o governo também. E foi decidido que, a prefeitura irá abrir o prazo novamente até o dia 5 de janeiro, para eles trabalharem esse mês de dezembro tranquilamente, enquanto eles procuram um espaço melhor, ou levam para o pátio da feira oferecendo melhor estrutura e oferecendo condições a todos eles. O prefeito não quer prejudicar ninguém, e eles entenderam e concordaram e são sabidos também que toda posição que o prefeito está tomando em relação a isso é para o bem coletivo e para a mobilidade da cidade”, detalhou Faeca Melo.

Deixe seu comentário